Vivência de Coco de Umbigada com Mãe Beth de Oxum (Olinda-PE)

ATENÇÃO

Alertamos que as atividades cadastradas na Plataforma Londrina Cultura devem cumprir todos os protocolos vigentes de segurança sanitária e de prevenção à COVID-19 decretados pela Prefeitura do Município de Londrina e demais instâncias competentes.

Descrição Curta:
Quizomba de Aniversário - Zerão na graça de Oxum! é nesse domingo dia 3 mas teremos atividades em todo o mês de novembro e já para inaugurar o mês dividiremos com Mãe Beth de Oxum uma vivência de Coco de Umbigada.

Link para inscrição: http://bit.ly/2JsLQVO

Dias: 1/11 as 19h30 as 22h00
2/11 das 14h30 até 17h30
Local: FUNCART (Rua Senador Souza Naves, 2380)
Valor: Gratuito* - Vagas limita

Descrição

Quizomba de Aniversário - Zerão na graça de Oxum! é nesse domingo dia 3 mas teremos atividades em todo o mês de novembro e já para inaugurar o mês dividiremos com Mãe Beth de Oxum uma vivência de Coco de Umbigada.

Link para inscrição: http://bit.ly/2JsLQVO

Dias: 1/11 as 19h30 as 22h00
2/11 das 14h30 até 17h30
Local: FUNCART (Rua Senador Souza Naves, 2380)
Valor: Gratuito* - Vagas limitadas

*Há uma contribuição voluntária de 20 talkeis sugerida, mas de maneira nenhuma visa impedir a participação de qualquer pessoa, inscreva-se!

O COCO é uma manifestação artística tradicional do nordeste brasileiro que surgiu supostamente nos engenhos de açúcar da então capitania de Pernambuco (Pernambuco, Alagoas e Paraíba). Para alguns o Coco é uma mistura de manifestações de matriz africana e indígena. É uma dança de roda, acompanhada por palmas e canto, bailada por pares. Em algumas regiões também é chamado de pagode, zambê, coco de usina, coco de roda, coco de embolada, coco de praia, coco do sertão e coco de umbigada. Como acontece nas manifestações de tradição oral o Coco (dança, toque e canto) se transforma de acordo com o grupo que o executa, possuindo assim muitas variações.

MÃE BETH DE OXUM, é uma ialorixá (mãe de santo – candomblé), percursionista e militante cultural de Pernambuco. Fundou em Olinda o Afoxé Filhos de Oxum, um dos primeiros a incluir mulheres na percussão, e durante 15 anos foi presidente do Afoxé Alafin Oyó, atuando na luta contra o preconceito religioso. Como percussionista, tocou nas bandas de Lia de Itamaracá e Selma do Coco. Criou no bairro de Guadalupe o Cineclube Macaíba, direcionado às culturas de matriz africana, e a Rádio Amnésia. Transformou sua casa, onde se realizavam rodas de coco de umbigada, no ponto de cultura Casa de Oxum. Em 2015 recebeu do Ministério da Cultura a Ordem do Mérito Cultural, ordem honorífica dada a personalidades como forma de reconhecer suas contribuições à cultura do Brasil.


Artes da edição: Nana Souza

Publicado por

Luiza Nascimento Braga

Presidente do Conselho Municipal de Cultura, produtora cultural e artista visual

Nome:

E-mail:

Tipo:

Mensagem:

Enviando mensagem

Enviando mensagem